8 de mar de 2010

Oscar 2010: sem blockbusters

O Academy Awards 2010 trouxe várias surpresas. A esperada enxurrada de estatuetas ao blockbuster Avatar não aconteceu. O filme de James Cameron, que até o momento rendeu US$ 500 milhões, levou apenas 3 prêmios: direção de arte, fotografia e efeitos visuais.

Com 6 estatuetas, o grande vencedor da noite foi The Hurt Locker, um filme de baixo orçamento dirigido por Kathryn Bigelow, ex-esposa de James Cameron, e que conta a história de um esquadrão anti-bombas no Iraque.

Também não foi a noite dos veteranos Meryl Streep e Morgan Freeman. A estatueta de melhor atriz ficou com Sandra Bullock (The Blind Side), e Jeff Bridges (Crazy Heart) foi o escolhido para melhor ator.

Na categoria filme estrangeiro, venceu o argentino El Secreto de sus Ojos, dirigido por Juan José Campanella.

(Vi a transmissão pela TNT. O destaque negativo, para variar, foi Rubens Ewald Filho, sempre atrapalhado, com uma voz cansada, e fazendo observações ao invés de anunciar os vencedores. Poderia apenas se limitar a comentar, enquanto dubladores fariam a tradução simultânea...)

3 comentários:

ney disse...

Ainda bem, chega de tantos blockbusters, cinema pipoca, efeitos especiais, o chão do cinema tremendo com o som para dar emoção ao que não tem essência.
Ah, os comentaristas são terríveis, o Ewald ao menos entende de cinema, os estrelas globais não dizem nada com nada.
No futebol vejo os jogos do Brasil sem som, ainda bem que existe a tecla MUTE. Pode o estádio todo vaiar, xingar, ele sempre está lá.
Gostei das surpresas. Viva o bom cinema. Abraço/ney.

Claudio disse...

Amigo, não sou contra o cinema blockbuster. Admiro o trabalho em 3d feito em Hollywood, sei o quanto é complicado. O recado da Academia foi claro: "Avatar" é vitorioso no aspecto visual; já em termos de conteúdo, parece que a proposta ecologico-politicamente-correta de Cameron deixou a desejar.

A computação gráfica chegou para ficar. A tecnologia está aí, basta fazer bom uso dela.

E o "bom" cinema, seja ele "analógico" ou digital, sempre vai existir.

Sobre os comentaristas, difícil encontrar alguém que conheça mais cinema que Rubens Ewald Filho, mas querer que ele faça tradução simultânea é demais...

Abraço!

Sid disse...

Claudius, você assistiu na TNT, mas bomba mesmo foi assistir a transmissão da Globo. Sofrível... Sem falar do "delay" de 2 horas. E, sou meio inocente, mas algumas das premiações meio que já estavam na cara que iriam ocorrer, como no caso da Sandra Bullock. Sei lá, onde tem o "fator humano" em certas decisões eu fico com o pé atrás. Que venha logo a Matrix para tomar conta desses vírus.